Defesa de Dissertação de Mestrado de Elisângela de Jesus da Silva - "ESCRITA AUTORAL A PARTIR DE GÊNEROS ORAIS EM SALA DE AULA". CLIQUE AQUI!

O presente trabalho é uma pesquisa qualitativa de cunho bibliográfico e memorialístico desenvolvida no Mestrado Profissional em Letras da Universidade Federal da Bahia e visa refletir sobre o processo de autoformação da professora-pesquisadora, à medida que propõe uma sequência didática que tem por objetivo produzir textos na perspectiva da escrita autoral, valorizando a leitura de mundo pautada no letramento como processo sócio-histórico e como prática social, para turmas de 9º ano. A necessidade do ensino da escrita autoral foi observada pela professora-pesquisadora a partir do seguinte desafio: unir o interesse dos estudantes em realizar discussões orais com a produção de textos em sala de aula. Diante disso, pretende-se propor um ensino de Língua Portuguesa que proporcione interação em sala de aula, tanto para a troca de saberes relativos à escrita autoral, como para ampliação de práticas de escrita a partir de gêneros orais. Pensando em possibilitar aos alunos uma experiência significativa para sua formação como cidadãos que se apropriam do poder da escrita, é que na sequência didática são propostas rodas de conversas sobre temas elencados pelos próprios alunos. Busca-se, com isso, ouvir os estudantes e levá-los a perceber a sua produção escrita como a oportunidade de se constituírem autores e como um produto de interação entre eles e seus leitores. Tem-se como expectativa o desenvolvimento do continuum oralidade/escrita nas aulas de língua portuguesa, envolvendo temáticas sugeridas pelos estudantes, uma vez que eles poderão perceber que têm voz e que são importantes no seu processo de formação. O trabalho está embasado em concepções teórico-metodológicas de: língua, gêneros textuais, fala, oralidade e escrita numa visão sócio-cognitivo-interacional (MARCUSCHI, 2003; 2008); texto na sala de aula (GERALDI, 2011); autor e autoria (BAKHTIN, 2011); escrita autoral (TFOUNI, 2010; ORLANDI, 2020; BAKTHIN, 2011); letramentos (KLEIMAN, 1995; 2001; 2005) (ROJO, 1995; 2009); gêneros orais e sequência didática (SCHNEUWLY; DOLZ, 2010); letramentos sociais (STREET, 2014). Como conclusões, destaca-se os seguintes aspectos: a mudança de olhar da professora-pesquisadora para a práxis em sala de aula; o fortalecimento do conceito de letramentos como prática social; a necessidade de ser ou sentir-se professora-autora para ser um exemplo aos estudantes; a importância de considerar as práticas sociais dos estudantes, pois estas são determinantes para um trabalho eficaz e significativo em sala de aula; e o valor do olhar do outro para a construção de uma sequência didática exequível.

 

LOCAL: https://conferenciaweb.rnp.br/webconf/profletras-ufba

Chave de acesso: f98bd545
Data da Defesa: 
segunda-feira, 20 Setembro, 2021 - 16:00